Concurso Unificado: secretário de Gestão fala da prova e conteúdo

Secretário de Gestão e Inovação fala que provas do Concurso Nacional Unificado serão menos focadas na memorização e ‘decoreba’ das leis. Veja!

Concursos Previstos
Autor:Bruna Somma
Publicado em:30/10/2023 às 15:49
Atualizado em:30/10/2023 às 15:56

O secretário de Gestão e Inovação do Governo Federal, Roberto Pojo, falou sobre as provas do Concurso Nacional Unificado (CNU). Em entrevista publicada pela Folha de São Paulo no sábado, 28, ele afirmou que as questões serão menos focadas na memorização e "decoreba" de conteúdos


O Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), que está à frente da organização do concurso unificado, quer captar outras habilidades dos candidatos. Como, por exemplo, a capacidade analítica


Pojo explicou que nos concursos atuais, questões específicas de leis costumam ser cobradas boa parte das vezes. No entanto, nem sempre esse conhecimento é usado no dia a dia de trabalho. 

"A orientação é modificar esse 'decoreba' para algo que seja capaz de capturar outras habilidades, capacidade cognitiva, e muito mais do que o ferramental", disse o secretário, que atua no MGI desde janeiro deste ano.

Essas mudanças na forma de cobrança buscam ampliar a diversidade entre os candidatos, uma vez que o formato atual pode privilegiar quem se dedica integralmente aos concursos diante daqueles que têm jornadas duplas. 


A BlackNovember do Qconcursos começou! Escolha estudar do jeito certo e seja aprovado com a ajuda de especialistas. ACESSE AQUI!

Roberto Pojo afirma que CNU cobrará menos '"decorebas'" para questões

(Foto: Albari Rosa/ Agência Estadual de Notícias do Paraná)


Um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU), publicado no início deste ano, identificou a falta de diversidade entre os aprovados na prova para auditor federal.


O concurso selecionou principalmente homens de classe média, que conseguiram se dedicar aos estudos por dois ou três anos. 


"Se eu forço [o candidato] a decorar muita coisa, ele precisa de tempo. Isso gera uma concorrência desleal entre aqueles que podem parar de trabalhar e ficar fazendo cursinho contra pessoas que são adequadas para atuar no Estado, mas têm de dividir o tempo com outras atividades", apontou Pojo. 


Quer ficar por dentro do Concurso Nacional Unificado? Então baixe agora, gratuitamente, o E-BOOK do CNU, com todas as informações sobre o chamado "Enem dos Concursos". Clique aqui!

O que será cobrado no Concurso Nacional Unificado?

O concurso unificado terá, como primeira etapa, provas objetivas (de Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos) e provas discursivas (de Conhecimentos Específicos).


As provas deverão ser aplicadas em um único dia, até março de 2024, simultaneamente em cerca de 180 municípios pelo país. A operação será próxima a do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os candidatos serão submetidos a:

  • provas objetivas de aplicação comum a todos os candidatos e candidatas; e
  • provas objetivas e dissertativas específicas por blocos temáticos.

De acordo com o MGI, as provas objetivas de aplicação geral deverão perpassar três dimensões:

  • valorização do ethos público;
  • da realidade brasileira e das relações entre Estado; e
  • relação das políticas públicas e o desenvolvimento nacional.

O secretário de Gestão de Pessoas do MGI, José Celso Pereira Cardoso Júnior, explicou que o ethos público, por exemplo, se refere a vocação para servir e trabalhar como servidor público.


"Outra dimensão que precisa ser contemplada, não só na prova, mas na formação ao longo da vida, é a dimensão da realidade brasileira. A gente acha que as questões históricas e estruturais da realidade brasileira também precisam estar presentes no concurso. Em que as pessoas não apenas demonstrem conhecimento sobre a realidade brasileira, como o interesse em enfrentar os problemas", afirmou José Celso em entrevista ao podcast 'Podconcurseiro'.


Já a dimensão de relação das políticas públicas e o desenvolvimento nacional visa aferir se a pessoa está antenada com as necessidades de política e aperfeiçoamento do estado.

"Essas questões de competência são diferentes das questões típicas de conhecimento especializado que são cobradas também em Português, Matemática, Direito, que obviamente também vão estar presentes nesse concurso. Mas, essas questões gerais também precisam ser contempladas", disse o secretário de Gestão de Pessoas.

Disciplinas como Língua Portuguesa e Raciocínio-Lógico Quantitativo são recomendadas pelo Guia Referencial para concursos públicos, desenvolvido pelo Enap (Escola Nacional de Administração Pública), e devem ser cobradas. 


As provas específicas e dissertativas, por sua vez, abordarão temas circunscritos aos blocos temáticos pré-estabelecidos, numa concepção em que se busque apreender dos candidatos aptidões e competências de aprendizagem contínua no ambiente de trabalho ao longo do ciclo laboral no setor público. 


A lista de todas as disciplinas do concurso unificado só será divulgada com a publicação do edital. Mas, a ministra da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, tranquilizou:

"Quem já estuda, vai estar preparado. Podem ficar tranquilos. Todos que já se preparam para concursos vão ter bagagem para fazer esse concurso unificado".

O que é o Concurso Nacional Unificado?

O Concurso Nacional Unificado, ou Enem dos Concursos, como vem sendo chamado, é uma proposta do Governo Federal para centralizar os concursos do Executivo Federal, que foram autorizados este ano.


A ideia é democratizar o acesso ao serviço público, já que as provas serão capilarizadas, como ocorre no Enem, e não apenas nas capitais dos estados.


No concurso unificado, uma mesma pessoa poderá concorrer a vagas em mais de um cargo, pagando apenas uma taxa de inscrição. O valor ainda será revelado. 


Conforme o Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), as datas previstas são:

  • edital: 20 de dezembro de 2023;
  • provas: até março de 2024;
  • resultado final da etapa unificada: até maio de 2024;
  • cursos de formação, quando cabível: até julho de 2024;
  • posse dos novos servidores: até agosto de 2024.

No momento, o concurso está na etapa de escolha da banca organizadora. Ao todo, cinco instituições enviaram suas propostas e estão na disputa: Cebraspe; Fundação Getulio Vargas (FGV); Fundação Cesgranrio; Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades); e Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC).


A banca com o melhor valor e que apresentar as técnicas necessárias será contratada. Com isso, ficará responsável pela aplicação das provas do concurso unificado.


Leia também: Em enquete, 45% preferem Cebraspe como banca do Concurso Nacional Unificado

Qual será o número de vagas do Concurso Unificado?

A oferta total será de 6.640 vagas para cargos dos níveis médio e superior, com salários que chegam a R$23.579,71 (no caso de auditor-fiscal do trabalho).


No total, 22 órgãos e entidades do Executivo Federal assinaram o termo de adesão ao Concurso Nacional Unificado. Confira a lista a seguir:

  • IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística): 895 vagas;
  • Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas): 502 vagas;
  • Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária): 742 vagas;
  • Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária): 440 vagas;
  • Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia): 80 vagas;
  • MTE (Ministério do Trabalho e Emprego): 900 vagas;
  • Ministério da Saúde: 220 vagas;
  • AGU (Advocacia Geral da União): 400 vagas;
  • Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar): 40 vagas;
  • Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica): 40 vagas;
  • Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários): 30 vagas;
  • ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar): 35 vagas;
  • MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços): 110 vagas;
  • MCTI em partes (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação): 296 vagas;
  • MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública): 130 vagas;
  • MinC (Ministério da Cultura): 50 vagas;
  • MEC (Ministério da Educação): 70 vagas para ATPS;
  • MDHC (Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania): 40 vagas;
  • MPI (Ministério dos Povos Indígenas): 30 vagas;
  • MPO (Ministério do Planejamento e Orçamento): 60 vagas;
  • MGI (Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos) e as carreiras transversais: 1.480 vagas;
  • Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira): 50 vagas.

A adesão do CNU foi voluntária. Ou seja, os órgãos e entidades públicas, que receberam aval para o preenchimento de vagas, puderam escolher participar ou não da seleção unificada.


A Defensoria Pública da União (DPU) também mostrou interesse, mas, no último momento, decidiu não participar do CNU.

Como as vagas do concurso serão agrupadas?

A proposta do Governo Federal é que as 6.640 vagas do Concurso Nacional Unificado (CNU) sejam distribuídas entre blocos temáticos. A princípio, foram informados oito blocos: 

  • Administração e Finanças Públicas;
  • Setores Econômico, Infraestrutura e Regulação;
  • Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário;
  • Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação;
  • Políticas Sociais; Justiça e Saúde;
  • Trabalho e Previdência;
  • Dados, Tecnologia e Informação Pública; e
  • Nível intermediário.

No entanto, o número de blocos está em revisão depois da adesão de todos os órgãos e entidades públicas ao CNU.


"Vão ser seis, sete blocos ou um pouco mais talvez. A lógica é que esses blocos tenham afinidade temática", explicou Esther Dweck, no programa Bom dia, ministra.


O secretário de Gestão de Pessoas do MGI, José Celso Pereira Cardoso Júnior, também já adiantou que será publicado um edital por bloco temático

"Ao invés de fazer um edital gigante de mil páginas, é melhor e mais didático ter editais por blocos. Para os candidatos se orientarem e até mesmo tomarem decisão sobre qual qual bloco querem concorrer", explicou o secretário.

Como serão as inscrições do Enem do Concursos?

As inscrições do Concurso Nacional Unificado, também chamado de Enem dos Concursos, serão abertas após a publicação do edital, no site da banca organizadora contratada.

Primeiro, o candidato terá que escolher um bloco temático. Só será possível se inscrever para um dos blocos temáticos.


Depois, o participante irá listar, por ordem de prioridade, quais carreiras dentro do bloco quer concorrer. Desde que tenha todos os requisitos necessários.


Desta forma, uma mesma pessoa poderá concorrer a mais de um cargo dentro do bloco temático e pagando apenas uma taxa de inscrição.


Entre no nosso grupo do WhatsApp e tenha acesso às aulas e curso gratuito do Concurso Nacional Unificado. Acesse aqui!

Logo Qconcursos
Conteúdo Qconcursos

Salário

Até R$ 22.921,71

Cargos

9

Vagas

13280
PRÓXIMA LIVEVer todas
Imagem do vídeo principal

Concurso TRE Unificado - Aula de Direito das pessoas com Deficiência

Equipe Qconcursos