DPU deve decidir sobre adesão ao Concurso Unificado esta semana

Até o final desta semana, Defensoria Pública da União deve decidir sobre assinar ou não o termo de adesão ao Concurso Nacional Unificado. Entenda!

Concursos Previstos
Autor:Bruna Somma
Publicado em:10/10/2023 às 15:50
Atualizado em:17/10/2023 às 16:03


A assinatura é obrigatória mesmo para as entidades que já informaram o interesse em participar. 


Além disso, cada órgão deverá indicar um membro representante e um suplente para o “Comitê Consultivo e Deliberativo” do concurso unificado. As indicações permitirão a criação da Comissão Organizadora da seleção. 


No caso específico da DPU, também será preciso assinar um Acordo de Cooperação Técnica (ACP) entre os órgãos da Administração Pública e dos Poderes da União. Isso porque a Defensoria Pública é independente e não está vinculada diretamente ao Executivo. 


A Defensoria Pública da União confirmou que pediu informações ao Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) sobre a adesão ao Concurso Nacional Unificado. O objetivo é oferecer as vagas do concurso DPU por meio da seleção unificada. 


Quer ficar por dentro do Concurso Nacional Unificado? Então baixe agora, gratuitamente, o E-BOOK do CNU, com todas as informações sobre o chamado "Enem dos Concursos". Clique aqui!

DPU pode aderir ao Concurso Nacional Unificado

(Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado)


A Defensoria terá vagas para contratação de servidores nos seguintes cargos administrativos:

  • técnico (ensino médio); e
  • analista (ensino superior). 

Por lei, a DPU tem autonomia para abertura de concursos públicos, não sendo necessária a autorização do Governo Federal para o preenchimento de vagas. 


Porém, ao assinar o Acordo de Cooperação Técnica, a Defensoria Pública da União poderá se juntar aos demais órgãos do Executivo Federal no concurso unificado. 

Saiba o que é o Concurso Nacional Unificado

O Concurso Nacional Unificado é uma proposta do Governo Federal para centralizar os concursos autorizados este ano. A ideia é ter um único dia de provas, até março de 2024, com aplicação simultânea em cerca de 180 municípios espalhados pelo país. 


Com isso, o governo quer democratizar o acesso ao serviço público, uma vez que as provas serão capilarizadas (no estilo do Exame Nacional do Ensino Médio - Enem) e não apenas nas capitais dos estados.


No concurso unificado, uma pessoa, por exemplo, poderá concorrer a vagas em mais de um cargo, pagando apenas uma taxa de inscrição. 

"Queremos ter uma burocracia com a cara da sociedade brasileira, em termos de gênero, raça e representação geográfica", disse a ministra da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, em coletiva de imprensa no dia 29 de setembro

A adesão ao CNU foi voluntária. Cada órgão ou entidade pública, com aval para preenchimento de vagas, escolheu por aderir ou não ao formato. 


Segundo a ministra Esther Dweck, o cronograma do CNU será:

  • edital: 20 de dezembro de 2023;
  • provas: até março de 2024;
  • resultado final da etapa unificada: até maio de 2024;
  • cursos de formação, quando cabível: até julho de 2024; e
  • posse dos novos servidores: até agosto de 2024.

Todo o processo de contratação da banca organizadora e elaboração do edital, por exemplo, será feito pelo MGI e pelas comissões formadas junto aos órgãos aderentes ao concurso unificado. 

Vagas do CNU serão divididas por blocos temáticos

A proposta do CNU, também chamado de “Enem dos Concursos” é que as vagas dos órgãos sejam divididas em oito blocos temáticos, sendo eles:

  • Administração e Finanças Públicas;
  • Setores Econômico, Infraestrutura e Regulação;
  • Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário;
  • Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação;
  • Políticas Sociais; Justiça e Saúde;
  • Trabalho e Previdência;
  • Dados, Tecnologia e Informação Pública; e
  • Nível intermediário.

Depois da consolidação das adesões dos órgãos ao CNU, o Governo Federal desenhará a divisão dos cargos por bloco temático, considerando as afinidades entre eles. Em caso de adesão, ainda não há confirmação sobre qual bloco serão inseridas as vagas da DPU. 


O Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) informou que, ao realizar a inscrição, primeiro o candidato deverá escolher entre um dos blocos temáticos.


Em seguida, será necessário indicar o cargo/carreira, por ordem de preferência, entre as vagas disponíveis no bloco de sua escolha.


O Concurso Nacional Unificado terá somente um dia de provas. Os candidatos deverão responder a:

  • questões objetivas com matriz comum a todos os candidatos;
  • questões objetivas sobre Conhecimentos Específicos de cada bloco temático; e
  • prova discursiva sobre Conhecimentos Específicos de cada bloco temático.

A aplicação das provas objetivas e discursivas ocorrerá em um único turno (com 4h30 de duração).


Segundo os membros do MGI, o conteúdo programático e as disciplinas das provas só serão divulgados no edital. Mas, a ministra Esther Dweck tranquilizou:

"Quem já estuda, vai estar preparado. Podem ficar tranquilos. Todos que já se preparam para concursos vão ter bagagem para fazer esse concurso unificado".

Concurso DPU: saiba quais são os requisitos e salários

No final de 2022, foram criados 811 novos cargos para a Defensoria Pública da União, sendo 410 de analista e 401 de técnicos. Os cargos foram criados por meio da lei 14.377/2022.


O requisito para os concursos de analista será o nível superior completo em áreas especificadas no edital. 


O cargo apresenta as atribuições de: planejamento, organização, coordenação, supervisão técnica, assessoramento, estudo, pesquisa, elaboração de laudos e execução de atividades de maior grau de complexidade no âmbito da Defensoria Pública da União.  


Os outros 401 cargos criados para DPU são de técnico, com exigência de nível médio. Essa função executa atividades de suporte técnico e administrativo de menor complexidade e de apoio às atividades do cargo.


Conforme a lei de criação dos cargos, os vencimentos básicos iniciais são de R$1.749,57 para técnicos (nível médio), R$2.220,09 para analistas (nível superior) e R$3.010,41 para economistas (nível superior). 


Aplicando o reajuste de 6% aprovado em 2023, os valores iniciais passam para: R$1.854,55 para técnicos, R$2.353,29 para analistas e R$3.191,03 para economistas. 


Os servidores ainda têm direito a Gratificação de Desempenho Específica da Defensoria Pública da União (GDEDPU), que é contada em pontos.

PLOA 2024 traz 134 vagas para o concurso DPU

O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), enviado pelo Governo Federal para análise no Congresso Nacional, traz a previsão de 134 vagas para a Defensoria Pública da União


Desse total, 43 são para provimentos e 91 para criação de cargos. Cabe mencionar que os números não indicam autorização de um novo concurso DPU, mas apenas uma previsão orçamentária. 


O texto ainda precisa passar por aprovação no Congresso e, portanto, poderá sofrer alterações.


Entre no nosso grupo do WhatsApp e tenha acesso às aulas e curso gratuito do Concurso Nacional UnificadoAcesse aqui!

Logo Qconcursos
Conteúdo Qconcursos
InstitutoDefensoria Pública da União

Cargos

7
PRÓXIMA LIVEVer todas
Imagem do vídeo principal

Concurso TRE Unificado - Aula de Direito Constitucional: Princípio da Separação dos Poderes

Equipe Qconcursos